Arquivo da categoria ‘Inglês’

– Dicas De Inglês –

Publicado: agosto 24, 2012 por ' Carolina Araújo em ' Linguagens, Códigos E Suas Tecnologias E Redação, Inglês

1. INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

O exercício de leitura em inglês deve iniciar a partir de textos com vocabulário reduzido, de preferência com uso moderado de expressões idiomáticas, regionalismos, e palavras “difíceis” (de rara ocorrência). Proximidade ao nível de conhecimento é uma condição importante.

Outro aspecto, também importante, é o grau de atratividade do texto. O assunto, se possível, deve ser de alto interesse ao leitor. A atenção deve concentrar-se na ideia central, mesmo que os detalhes se percam, deve-se evitar a prática da tradução. O leitor deve habituar-se a buscar identificar sempre em primeiro lugar os elementos essenciais da oração, ou seja, sujeito, verbo e complemento.

Find the main elements of the sentence : subject and verb.

Procure identificar os elementos essenciais da oração : sujeito e o verbo.

O português se caracteriza por uma certa flexibilidade com relação ao sujeito. Existem as figuras gramaticais do sujeito oculto, indeterminado e inexistente, para justificar a ausência do sujeito. Mesmo quando não ausente, o sujeito frequentemente aparece depois do verbo, e às vezes até no fim da frase.

O inglês é mais rígido nesse aspecto : praticamente não existem frases sem sujeito, e nas frases afirmativas ele aparece normalmente antes do verbo. Pode-se dizer que o pensamento em inglês se estrutura a partir de um sujeito ; em seguida vêm o verbo, o complemento, e os adjuntos adverbiais. Para uma boa interpretação de textos em inglês, não adianta saber o vocabulário apenas ; é preciso compreender a estrutura, e para isso é de fundamental importância a identificação do verbo e do sujeito.

Don’t stumble on word strings : read backwards.

Não se atrapalhe com os substantivos em cadeia. Leia-os de trás para frente.

A ordem normal em português é substantivo – adjetivo (Ex .: casa grande) , enquanto que em inglês é o inverso (Ex .: big house) . Além disto, qualquer substantivo em inglês é potencialmente também um adjetivo, podendo ser usado como tal. (Ex .: brick house = casa de tijolos ; vocabulary comprehension test = teste de compreensão do vocabulário) . Sempre que o você se defrontar com um aparente conjunto de substantivos enfileirados, deve lê-los de trás para diante intercalando a preposição “de” no meio.

Be careful with the suffix …ing.

Cuidado com o sufixo …ing.

O leitor principalmente tende a interpretar o sufixo …ing unicamente como gerúndio, quando na maioria das vezes ele aparece como forma substantivada de verbo ou ainda como adjetivo. Se a palavra terminada em …ing for um substantivo, poderá figurar na frase como sujeito, enquanto que se for um verbo no gerúndio, jamais poderá ser interpretado como sujeito nem como complemento. Este é um detalhe que muito frequentemente compromete seriamente o entendimento. Gerund – Ex .: We are planning to … What are you doing? …ing noun.

Ex .: He likes fishing and camping, and hates accounting. This apartment building is new. Adjective – Ex .: He likes fishing and camping, and hates accounting. This apartment building is new. Adjective – Ex .: This is interesting and excting to me. That was a frightening explosion.

Don’t get thrown off by prepositional verbs.

Não se deixe enganar pelos verbos preposicionais.

Os verbos preposicionais, também chamados de two-word verbs, confundem porque a adição da preposição normalmente altera substancialmente o sentido original do verbo. Ex .: Go – Ir, Go off – Disparar (alarme) , Go over – Rever, verificar novamente ; Turn – Virar, girar, Turn on – Ligar, Turn off – Desligar, Turn down – Desprezar, recusar, Turn into – Transformar em ; Put – Colocar, botar, Put off – Adiar, Put on – Vestir, botar, Put out – Apagar (fogo) , Put away – Guardar, Put up with – Tolerar.

Make sure you understand the words of connection.

Procure conhecer bem as prncipais palavras de conexão.

Words of connection ou words of transition são conjunções, preposições, advérbios, etc, que servem para estabelecer uma relação lógica entre frases e ideias. Familiaridade com estas palavras é chave para o entendmento e a correta interpretação de textos.

Be careful with false cognates.

Cuidado com falsos cognatos.

Falsos cognatos, também chamados de falsos amigos, são palavtas normalmente derivadas do latim, que têm portanto a mesma origem e que aparecm em diferentes idiomas com ortografia semelhante, mas que ao longo dos tempos acabaram adquirindo significados diferentes.

Use intuition, don’t be afraid of guesswork, and don’t rely too much on the dictionary.

Use sua intuição, não tenha medo de advinhar, e não dependa muito do dicionário.

Para nós, brasileiros, a interpretação de textos é facilitada pela semelhança a nível de vocabulário, uma vez que o português pe uma língua latina e o inglês possui cerca de 50% de seu vocabulário proveniente do latim. É principalmente no vocabulário técnico e cientifico que aparecem as maiorias semelhanças entre as duas línguas, mas também no vocabulário cotidiano encontramos palavras que nos são familiares. Executando-se os falsos cognatos podemos confiar na semelhança.

Através de algumas estratégias de leitura, que propiciem a compreensão do texto de um modo geral e / ou de um modo mais detalhado. Poderá haver algum enfoque gramatical apenas quando, no texto, isso for considerado um auxilio rigorosamente indispensável, jamais, porém, um fim. Observando as estratégias, você finalmente concluirá que :

A compreensão do texto dispensa a tradução palavra por palavra ;

O uso excessivo do dicionário implica em perda de tempo ;

É necessário o uso constante de rarciocínio para analisar, deduzir e concluir satisfatoriamente.

Sempre que você for ler um texto instrumental, no caso um texto língua estrangeira deve :

Não usar o dicionário neste primeiro momento ;

Atenar para a apresentação visual do texto ;

Atentar para o título do texto (traduza-o se for preciso, pois há sempre uma correlação entre título e assunto do texto) ;

Fazer um “brainstorm” do título (todos os possíveis assuntos que podem aparecer no texto) , utilizando o seu “previous knowledge” (o que você sabe sobre o assunto) ;

Fazer uma previsão dos possíveis assuntos a serem tratados no texto (“prediction”) ;

Ler o texto do começo ao fim, partindo do geral para o específico, atentando para :

– As palavras transparentes (“cognate words”) ;

– As palavras conhecidas (“palavras que você já sabe em inglês”) ;

Inferir as palavras apenas pelos seus contextos, sem a ajuda de um dicionário ;

Depois de ter lido todo o texto, você deve ler cada parágrafo novamente, atentando para o tópico frasal de cada parágrafo ;

Você deve usar o dicionário apenas para entender as palavras mais importantes de cada parágrafo ;

Níveis de Compreensão – Dependendo do objetivo da leitura, você deverá distinguir três níveis de compreensão :

General Comprehension : É obtida através de uma leitura rápida para se captar as informações genéricas do texto, ou seja, o que é de maior relevância para o texto ;

Main Points Comprehension : A leitura dos pontos principais exige que nos detenhamos com maior atenção na busca das informações principais do texto, observando cada parágrafo para identificar os dados específicos que mais interessam ao leitor ;

Detailed Comprehension : Este tipo de leitura é mais profundo que os anteriores. Exige a compreensão dos detalhes do texto e damanda, por isso, muito mais tempo. Deve ser cuidados, especialmente quando aplicada em instruções operacionais de quipamentos, experiências, etc… de modo que seu funcionamento seja preiso e seguro.

Estratégias de Leituras – Maior sucesso terá o leitor no estudo do texto se fizer uso de algumas estratégias de leitura, bem como todas as dicas que o próprio texto proporciona. Conheça a seguir alguns desses elementos.

Skimming : Estratégia que consiste em lançar os olhos rapidamente sobre o texto, numa breve leitura para captar o assunto geral apenas, se esse for o objetivo da leitura ;

Scanning : É uma estratégia de leitura não-linear em que o leitor busca objetivamente localizar as informações em que está interessado. Através do scanning o leitor é objetivo e seletivo e nem sempre precisa ler o texto todo. Ex .: A procura dos tipos de contágio da AIDS em um texto sobre a doença ;

Cognates : Muito comuns na língua inglesa, os cognatos são termos de procedência grega ou latina bastante parecidos com o Português tanto na forma escrita como no significado. Seria interessante o leitor notar que os cognatos podem ser :

– Idênticos : Radio, piano, hospital, nuclear, social, etc…

– Bastante Parecidos : Gasoline, inflation, intelligent, population, history, etc…

– Vagamente Parecidos : Ellectricity, responsible, infalible, explain, activity, etc…

Repeated Words : Quando certas palavras se repetem várias vezes no texto, mesmo com formas diferentes (ex .: socialism, social, socialist, socialize…) , normalmente são importantes para a compreensão. As palavras repetidas aparecem especialmente na forma de verbos, substantivos e adjetivos e nem sempre são cognatas ;

Typography : As marcas tipográficas são elementos, que, no texto, transmitem informações nem sempre representadas por palavras. Reconhecê-las é um auxílio bastante útil à leitura ;

Key Words : As palavras-chave são aquelas que estão mais de perto associadas especificamente ao assunto do texto, podendo aparecer repetidas e algumas vezes na forma de sinônimos. A identificação das key words através do skimming leva-nos a ter uma visão geral do texto ;

Prediction : É a atividade pela qual o aluno é levado a predizer, inferir o conteúdo de um texto através do título ou de outros elementos tipográficos, como ilustrações, por exemplo. Sendo uma atividade do tipo pré-leitura, a prediction contribui para estimular o interesse e a curiosidade do aluno pelo conteúdo de um texto que o tópico sugere. Quanto mais cultura geral (background knowledge) tiver o leitor, mais fácil será a sua predction.

Nominal Groups : Grupos nominais são expressões de caráter nominal em que prevalecem os substantivos e adjetivos, cuja ordem na frase ordinariamente não corresponde ao português. Observe o exemplo a seguir e note que a disposição das palavras na tradução não é correspondente ao inglês : South American Societies, Brazil’s high cost of living – Sociedades da América do Sul, o alto custo de vida do Brasil. Sempre existe no grupo nominal uma palavra mais importante (headword) , que normalmente é um substantivo.

Contextual Reference : Normalmente existem no texto elementos de referência que são usados para evitar repetições e para interligar as sentenças, tornando a leitura mais compreensível e fluente. Esses elementos aparecem na forma de pronomes diversos :

– Pessoais : He, she, it, they, etc…

– Demonstrativos : This, that, those, such

– Relativos : Who, whom, whose, that, which…

– Adjetivos Possessivos : His, her, our…

2. A IMPORTÂNCIA DO CONTEXTO

O estudo da gramática será abordado como suporte para uma melhor compreensão de textos. Tal visão nos possibilitará desvendar o rico e inesgotável mundo das palavras, entendendo assim, os significados e funções que estas assumem a partir do contexto no qual são empregadas. Ao se considerar o contexto, temos a possibilidade de em muitos casos poder esclarecer ou pelo menos sugerir os significados. Esta estratégia funcionará como ferramenta para uma sólida e verdadeiramente significativa ampliação no nosso vocabulário.

Verbo To Be.

Publicado: maio 27, 2009 por Stefan Yohansson em ' Linguagens, Códigos E Suas Tecnologias E Redação, Inglês

Um verbo que todos tem de aprender e não esqueçer nunca é chamado de:

Verbo: To Be

vamos as devidas considerações, pessoal.

To é o indicador de infinito (amar, desejar, andar), sim infinito, aquele das terminações – ar, er, ir –

To Be – Ser ou Estar, e com algumas modificações temos suas devidas variações

Como sabemos o verbo acompanha o sujeito, ou não, caso ele não exista na frase ou seja oculto. Mas, a todo caso, temos a seguinte estrutura basica de frase:

Sujeito + Verbo Auxiliar (Verbo To Be) + Verbo + Complemento

Esse verbo auxiliar, To Be, vai vir em diferentes formas para cada pronome, vejamos suas formas para cada pronome, e suas contrações:

Pro.        Verbo. Aux.            Contrações

I                 am                                 I’m

You            are                              You’re

He               is                                  He’s

She              is                                 She’s

It                  is                                   It’s

We             are                                 We’re

They          are                                 They’re

Lembrando que não é obrigatório fazer a contração, é apenas questão de preguiça ou encurtação do texto;

Exemplo de frase:

I’m playing football with my friends.

Eu estou jogando futebol com meus amigos.

Desse exemplo já podemos tirar a terminação de gerundio (correspondente do português, para quem não sabe, andando, cantando), que seria o ing posto no fim do verbo, mas falaremos disso no próximo capitulo, que será presente continuo.

Vamos voltar e nos concentrar no verbo To Be.

– E quando eu quiser fazer uma pergunta?

Perceba que não é nada mais que inverter o verbo auxiliar e pôr ele no começo, nesse caso não há contração:

Exemplo:

Are You ready?

Você está pronto?

E por fim, para negar alguma coisa;

Sujeito + verbo Auxiliar (To Be) + not + verbo + complemento

You are not ready?

You aren’t ready?

Você não está pronto?

Contrações:

I am not – Ain’t

You are not – You Aren’t

He is – He isn’t ( o mesmo para She e It )

We aren’t

They aren’t

Fiquem prontos para o próximo capitulo que será Present Simples e continuo em um post só. (: ~

Obrigado a todos os leitores, e gostaria de agradecer mais ainda ao meu amor, que me ajuda e contribue com as áreas de Humanas e materias gays dificeis para mim, como: Português, História e Biologia e outras aí :~ (As que não tem calculos.)

Só gostaria de agradecer e dizer que Te amo, Gigante. ❤ ~

Enfim, Obrigado aos leitores e boa noite.

Hmmm… inglês = 10.000 x mais fácil que português, então não dessespere-se.

Primeiro, como todo bom professor, vamos começar dando os pronomes em inglês.

– Mas o que são os pronomes?

Jezuz, tu existe mesmo?

Eu, Tu, Ele/Ela, Nós, Vós, Eles/Elas

Basicamente o inglês se configura do mesmo jeito, veja:

I = Eu

You = Tu/Você

He = Ele

She = Ela

It = Ele/Ela para Coisas/Animais

We = Nós

Ye = Vós

They = Eles/Elas no caso de coisas ou animais e pessoas

Esses são os chamados pronomes do caso reto, no português.

Os pronomes retos são usados como sujeitos da oração.

Exemplo:

I wrote two books, escrevi dois livros.
 He read the book, ele leu o livro.

Irei continuar o assunto mais tarde, por razões de trabalho terei de me ausentar.

Até a continuação que será a edição desse post.